• De tanto bater com o osso, a dor vira anestesia

GÊNERO: poesias| FORMATO: 14X21 | ANO: 2021 | PÁGINAS: 106| Pólen soft 80

SINOPSE:  De tanto bater com o osso, a dor vira anestesia, nova coletânea de André Giusti,  reúne trinta e cinco anos de produção poética. Sob a sua dicção muito própria, reencontramos a poesia como insistência e defesa: “cada dia que amanhece / é o corte de uma navalha”. A exemplo da “escrita imediata dos meteoros”, a poesia de André Giusti é incisiva, dispensa solenidade e tem os pés bem apoiados no chão. Mas comove como um blues e, assim, chega, atravessa e envolve a todos sem pedir permissão. Os poemas retratam o cotidiano com lentes muito especiais. E impressiona a harmonia da linguagem poética, que os anos justapostos legitimam e aprimoram. E a partir do apartamento imaginário, a poesia vai ao mundo, buscando a completude impossível que nos lega a condição humana. Comove com a crônica (um boletim de ocorrência) do que há de mais secreto, a nudez de cada qual no espelho das palavras. Sim, “... as grandes respostas / estão nos grandes silêncios / ao longo do dia”. Não importam o bater dos ossos ou a dor. Alheia aos disfarces e emboscadas, a voz de André Giusti é livre. Sua poesia também. [Alberto Bresciane]




Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.

De tanto bater com o osso, a dor vira anestesia

  • R$38,00

Produtos relacionados

A Maturidade Angustiada

A Maturidade Angustiada

GÊNERO:  Contos  FORMATO:     14X21   | ANO: ..

R$38,00

A Solidão do livro Emprestado

A Solidão do livro Emprestado

GÊNERO:  ContosFORMATO: 14X21 | ANO: 2018      PÁGINAS: ..

R$40,00

Etiquetas: Castiçal