12 99754 1285

LIVROS

Livro

O Sexo de Judas

Autor: José Valdemar de Oliveira

GÊNERO: Romance  (Selo Castiçal)
ISBN: 978-85-58333-95-5 | ANO: 2018
FORMATO: 14X21 
PÁGINAS:  192 | Pólen Bold 90gr

 

 

SINOPSE:  A história deste romance começa com uma introdução, quase poética, que sucinta muito bem o conteúdo escrito nas páginas. Com uma breve introdução intitulada “A Noite e seus vestígios” o autor salienta a divisibilidade do humano, fragmentado naquilo que ele é, de fato, mas que é escondido nas falsas aparências das normais sociais. A noite é o período no qual os instintos sexuais, os sentimentos e desejos afloram contra a grande repressão embutida na alma durante o dia, suscitada pelo desempenho de estados emocionais escondido sobre a forma das aparências. Dois homens, aparentemente distantes, encontram-se numa noite, em local isolado, com pouca movimentação. Deste contato ocorrerá o assassinato de um pelo outro, seguido do cometimento do suicídio daquele que praticou o assassinato. Uma única testemunha ocular elucidará as aparentes razões de tal ato de violência, tendo entendido, por meio da discussão, que os dois sujeitos mantinham um relacionamento sexual. O envolvimento sexual é representado como um desvio em relação as normais heterossexuais, de forma que o relacionamento dos dois homens se estorvava em um distanciamento afetivo, assim mantido, devido à grande dose de culpa e medo sentida, por ambos, em decorrência do forte julgamento externo. Nesta aparente frivolidade entre os dois, escondiam-se uma afetividade que surgiu no caos emocional, fato que lhe levará ao fatídico desenlace. Após a apresentação de tal cena, a narração começará com a história de Serginho, sujeito jovem que se entende como homossexual. Nos relatos do protagonista, a acentuada atmosfera de afetividade precária continua se apresentando nas relações familiares e com o outro. O “Sexo de Judas” é um romance crítico que aponta a fragilidade das estruturas sociais, repressoras, que de tanto atormentarem aqueles que se desencaixam do convencional, acabam fomentando ainda mais a violência.

OUTRO(S) LIVRO(S) DESTE AUTOR

Domingo é dia de Morrer

Domingo é dia de Morrer