(12) 3127-8092

LIVROS

Livro

Cantigas de Ninar Dragões

Autor: Rogério Bernardes

GÊNERO: Poesia (Selo Lampejos) 
ISBN: 978-85-5833-192-0 | ANO: 2017
FORMATO: 14X21
PÁGINAS:  158 | Pólen Bold 90gr

 

 

 

Sinopse: Os Dragões, metáforas das angústias, das dores silenciosas, são bem domados na lírica sutil da poesia, nestas cantigas de Rogério Bernardes, dar a voz aquilo que entrava a garganta em forma de frustração e perplexidade, torna o processo do viver, de inevitavelmente se circundar com alegrias e perdas, mais maleável, a medida que existe uma forma de transcender as aflições na forma sofisticada do verso. A poesia de Rogério traz de volta as memórias da infância, com uma linguagem que resgata pela simplicidade os nomes dos doces, a imaginação do menino, as vontades, os desejos mais inocentes, mas também, nesta busca pelo relembrar torna-se primor a sinceridade e seriedade de encarar, que a visão de menino choca-se inevitavelmente com a realidade que envelhece as utopias infantis, “ O menino descalço com olhos nas nuvens /  Tinha uma enorme vontade de desafiar dragões, / destruir castelos com sopros e estilingues”. Como o autor afirma ser o processo da produção poética o “curar ao falar de dores”, veste sua poesia com a nudez de se saber barco ao naufrágio, sem rumo, sem leme, sabendo que para drenar a vida que se esconde entre as batalhas perdidas, dos desamores, da morte, da aflição, é necessário por em holofote quaisquer índoles de sentimento, “ à deriva e sem vela / O barco sou eu / E o vento me leva”. Na trajetória da vida individual existe um longo caminho a se percorrer, numa jornada sempre iminentemente ameaçada, visto a fragilidade da felicidade aberta em um mundo de tantos dragões ameaçadores, mas se existe o antídoto que para Rogério, tem o afeito intenso de acalmar as feras estancando as feridas da pele, é a poesia a mais sublime forma de cantiga, solta, lírica, rítmica, encantando mesmo as desilusões e as mais cruéis feras.

OUTRO(S) LIVRO(S) DESTE AUTOR

Cinzas de fazer fênix

Cinzas de fazer fênix

Não servirei de alimento aos abutres

Não servirei de alimento aos abutres

Eu nunca soube nada sobre você (nem sobre mim)

Eu nunca soube nada sobre você (nem sobre mim)

O que não sangrou no caminho

O que não sangrou no caminho